Acompanhamento clínico da Artrite Idiopática Juvenil

0
303

Saiba como deve ser o acompanhamento médico e multidisciplinar ambulatorial de um paciente com artrite idiopática juvenil.

Consultas: As consultas médicas são realizadas regularmente e o intervalo de tempo varia de acordo com o tipo da doença e a orientação médica. O objetivo é avaliar o grau de atividade da doença e de limitação dos movimentos do paciente, além de ver os exames e detectar precocemente possíveis efeitos colaterais das medicações. Mesmo que o paciente esteja se sentindo bem, é importante não faltar às consultas, pois pode haver infl amação que a família não perceba.

As medicações: O tratamento pode ser prolongado e é muito comum haver mudanças nas medicações ao longo do acompanhamento. Alguns precisam tomar duas ou mais medicações para tentar controlar a doença e outros precisam substituir a medicação por não ter resposta ao tratamento.

É importante não parar de tomar a medicação sem orientação médica e prestar muita atenção às doses receitadas.

Os exames laboratoriais: Exames de sangue e urina são realizados periodicamente para avaliar o grau de inflamação e os efeitos colaterais das medicações

Outros exames:

Ultrassonografia de quadril: avalia presença de inflamação dessa articulação.

Densitometria óssea (DMO): exame simples e indolor, para avaliação dos ossos (osteoporose). Como os pacientes podem ter ossos mais fracos, precisamos ter a medida objetiva da massa óssea para ver a necessidade de terapia com cálcio e vitamina D e, se necessário, outras medicações.

Avaliação oftalmológica: os pacientes precisam fazer avaliação oftalmológica periódica (o intervalo depende do tipo de doença e se está ou não ativa) para afastar inflamação na úvea (uveíte). A uveíte é mais comum no início da doença, porém, pode aparecer em qualquer momento e o paciente, na maioria das vezes, não apresenta sintomas, como olho vermelho ou diminuição da visão.

Avaliação odontológica: os pacientes podem ter comprometimento da articulação da mandíbula e consequentemente apresentar dor local e deformidade, ou desvio de mandíbula. Nesses casos, é necessário o acompanhamento com o dentista para orientações e possível uso de aparelho dentário.

Cartilha ACREDITEFonte:

Cartilha: Meu Filho tem Artrite Um Guia para Famílias

Acredite – ONG Amigos da Criança com Reumatismo

Disponível em

http://acredite.org.br/wp-content/uploads/2012/05/artrite.pdf

A Acredite tem a Missão de “Melhorar a qualidade de vida de crianças e adolescentes com doenças reumáticas, viabilizando e facilitando o seu tratamento.” Atuam no estado de SP e recebem crianças de todo o Brasil, através do ambulatório de reumatologia pediátrica, é uma entidade sem fins lucrativos e contam com apoio de doações, que podem serem realizadas através do link: www.acredite.org.br

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta