Aposentados sofrem com a falta de medicamentos

0
490

Mesmo com ordem judicial, o aposentado Benedicto Ferreira Telles Neto, 64, está há dois meses sem ter acesso a medicamentos necessários para evitar a rejeição do novo rim, transplantado há cinco anos. Ele necessita de 120 cápsulas de micofenolato de sódio e outras 120 de tacrolimo mensalmente, mas a Farmácia de Alto Custo do Estado no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) informou o aposentado que os medicamentos estão em falta, e sem previsão de chegada.

Para comprar o medicamento, Telles precisaria desembolsar cerca R$ 2.500 por mês, valor maior do que o benefício que recebe. A Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo foi procurada por e-mail e por telefone desde o início da manhã de ontem, mas não respondeu aos questionamentos.

O transplantado conta que descobriu o problema de insuficiência renal em 2009, ficou em coma e depois passou dois anos fazendo tratamento de hemodiálise. Em 2011, uma das irmãs de Telles fez exames, foi compatível e aceitou doar um rim ao aposentado. Até o mês de fevereiro ele teve acesso aos medicamentos de forma regular com o amparo de ordem judicial, mas, lembra, em março e abril recebeu apenas metade das cápsulas necessárias. Em maio a situação se normalizou, porém, em junho e julho ele deixou de receber. “Deu tanto trabalho para conseguir a cirurgia e agora corro riscos por falta de remédio”, lamenta.

Outros medicamentos

Os também aposentados João Américo Genezi Pellini,71, e Antonio Garolla Neto, 68, enfrentam as mesmas dificuldades para terem acesso a vários medicamentos através da Farmácia de Alto Custo do Estado. Ambos teriam o direito aos remédios por ordem judicial, mas estão há pelo menos sete meses sem dar continuidade aos tratamentos.

Pellini conta que recebeu os remédios regularmente por três anos, mas desde o ano passado começou a ter dificuldades para obter as cápsulas. O aposentado, que é diabético e já infartou, precisa tomar diariamente rosuvastatina e succinato de metoprolol, além de três injeções mensais de insulina victoza. Para arcar com tudo, calcula, a despesa seria de R$ 1 mil, valor que ele não tem. (L.P.)

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorMortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave triplicam em um ano
Próximo artigo3 anos após acidente, britânico recebe transplante duplo de mãos

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta