App criado em Brasília ajuda a encontrar medicamentos mais baratos

0
926

Um grupo de amigos de Brasília criou um aplicativo gratuito para pesquisar preços e encontrar medicamentos mais em conta. Eles tiveram a ideia de usar uma tabela do Ministério da Saúde disponível na internet, que coloca um “teto” para os valores. O sistema compara na hora o preço do remédio encontrado na farmácia com o montante máximo estabelecido pelo governo.

É só fotografar o código de barras do remédio que os valores aparecem. “Nós conseguimos apresentar para a população o menor preço daquela região para aquele medicamento”, afirmou um dos desenvolvedores, Alexandre Máximo.

Até esta segunda-feira (14), 30 mil pessoas já tinham baixado o “Medipreço”, disponível para plataformas Android aqui. Por ele, é possível consultar o preço de 25 mil remédios em 75 mil farmácias do país. Ele também mostra as bulas e tarjas dos medicamentos e faz a busca de farmácias mais próximas com desconto.

A iniciativa também depende da colaboração dos usuários. “Sempre que você comprar um medicamento, você pode colocar o preço e assim você vai ajudar outras pessoas. O aplicativo calcula de forma inteligente”, afirmou outro criador, Gregório Salles.

Em uma pesquisa rápida na “rua das farmácias”, na 102 Sul, uma cartela de dipirona custa R$ 4,77, R$ 3,76 e até R$ 1,90. Analgésicos idênticos variam entre R$ 11 e R$ 16. E antigripais do mesmo laboratório chegam a custar entre R$ 8,60 e R$ 17.

A jornalista Kelly Cordova passou por uma situação em que foi mais vantajoso dar uma pesquisada. “Quando cheguei na farmácia, custava R$ 89. Aí fui na outra, que custava R$ 79. Aí tinha uma farmácia do lado, eu resolvi perguntar quanto custava. Era R$ 29,20 e foi lá que comprei.”

Fonte: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/app-criado-em-brasilia-ajuda-a-encontrar-medicamentos-mais-baratos.ghtml

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorQuer melhorar a saúde óssea? Basta fazer um minuto de exercício
Próximo artigoTroca de medicamentos biológicos por biossimilares divide opiniões na saúde
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta