Atividade Física e Perda de Peso foi a pauta do EncontrAR

0
225

No último sábado, 20/04/2013 aconteceu o EncontrAR Contamos com a presença de 38 pessoas e 04 profissionais da equipe multidisciplinar. Tivemos a presença do médico reumatologista Dr. Thiago Bitar e sua esposa a Dra Paula, e os convidados Dr.Erico Caperuto e Dr. Cesar Augustus Zocoer de Souza (Educadores Físico e Fisioterapeutas) da Universidade São Judas Tadeu (SP), que vieram apresentar o projeto de pesquisa “Atividade Física para pessoas com Artrite Reumatoide“, reforçando a palestra do Dr. Thiago Bitar que trouxe o tema “É tudo culpa da Artrite Reumatoide?”.

EncontrAR Abril de 2013
Dr. Cezar e Dr. Erico (Universidade São Judas Tadeu)

O tema foi usado para elucidar as dificuldades imposta pela doença e as dificuldades imposta por nós pacientes, que as vezes usamos a desculpa de termos a doença para nos acomodarmos e ficarmos deixando para depois iniciativas positivas que vão contribuir para a nossa qualidade de vida. Eu sempre digo que praticar atividade física quando se tem artrite reumatoide ou outra doença reumática que tenha como agravante a dor, é um investimento a longo prazo, pois no começo dói muito mais com o passar dos dias a dor causada pela pratica da atividade física se torna menos intensa e vamos fortalecendo nossos músculos para estarem prontos para dar suporte as nossas articulações fragilizadas pela doença. Esse é um grande lance para o futuro da nossa mobilidade. Lembrando que, a pratica de atividade física na artrite reumatoide depende do controle da doença e prescrição do médico reumatologista orientando a prática de atividade física.
Existe uma regrinha fácil de ser decorada “na dor da artrose, atividade física ajuda”, porém, na “na dor da artrite reumatoide, ou seja com atividade da doença na artrite reumatoide, a atividade física deve ser evitada”, resumindo, praticar atividade física quando temos artrite reumatoide, somente com orientação do médico reumatologista e com doença controlada! Por isso, converse com seu médico.

A apresentação do Dr. Thiago, abordou duas grandes complicações quando temos artrite reumatoide, a Obesidade e o Sedentarismo, duas coisas que prejudicam muito a nossa qualidade de vida quando convivemos com a dor e a perda articular.

A obesidade é culpa do corticoide?! #Mito nem sempre ele é culpado sozinho!

Na obesidade, é comum darmos algumas desculpas, sempre querendo mudar o foco do problema e a mais comum de todas é “é culpa do remédio, estou tomando corticoide” ou “tenho problema de tireóide” “comer é meu único prazer” “desde pequena sou gordinha”. As vezes até temos um problema de tireóide, mas logo que começamos a tratar isso passa, portanto, não é a causa da obesidade. E o corticóide? nem sempre tomamos corticoide a vida toda, o uso do corticoide na artrite reumatoide as vezes é frutante, usamos e deixamos de usar conforme as crises e quando diminuímos ou retiramos o corticóide logo, perdemos o inchaço trazido por ele, ou seja, precisamos de fato nos esforçar para perder peso e lembrar que isso é uma importante dica para qualidade de vida a longo prazo!

  • “Tenho medo de praticar atividade física e piorar a Artrite Reumatoide” #Mito.. atividade física só com doença controlada não piora AR!
Isaías tem AR ha 5 anos e é Maratonista

No sedentarismo, a grande desculpa que damos é o medo de muitos “tenho medo de praticar atividade física e piorar a AR” isso é mito gente, é mito, se a AR estiver sendo tratada e controlada a atividade física vai nos ajudar e muito, por isso, converse com seu médico e conforme a liberação do médico, corra atrás de uma atividade física que sobretudo você goste e se dedique para mudar a sua qualidade de vida para melhor!.

E a preguiça, gente todo mundo tem preguiça de ir a acadêmia, isso é fato, mas quando nós vivemos uma doença que pode nos trazer uma diminuição bruta da mobilidade, temos que ter atitudes positivas para tentar manter essa mobilidade, pois, afinal, andar é muito importante e andar com qualidade mais importante ainda!

Quem sabe um dia alcançamos policitas públicas de saúde que tenham “atividade física supervisionadas para as pessoas com doenças crônicas degenerativas” de fácil acesso e igualitário, enquanto esse sonho não é alcançado, vamos lutando pela qualidade de vida nossa de cada dia!

O EncontrAR foi muito produtivo, tivemos debates riquíssimo e uma grande participação de todas as pessoas presentes.
Super obrigada por fazerem deste encontrar + um EncontrAR.

A próxima reunião é dia 18 de Maio de 2013, teremos distribuição de “Abridores de Garrafas Pet -Gratuito” (obs: apenas para oa participantes de Maio). Fiquem de olho!

Abril_2013 by Priscila Torres

 

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorEncontrinho do EncontrAR em Curitiba
Próximo artigoEspondilite Anquilosante
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta