Boehringer Ingelheim e Inventiva firmam parceria para desenvolvimento de novos tratamentos para fibrose pulmonar idiopática

0
1873

A Boehringer Ingelheim, uma das 20 principais farmacêuticas do mundo, e a Inventiva, biofarmacêutica francesa especializada em soluções terapêuticas inovadoras para fibrose, oncologia e doenças órfãs, anunciaram uma parceria para pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos para Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) e outras doenças fibrosantes. Por meio desse acordo, os times de pesquisa das duas empresas irão validar um novo conceito terapêutico, combinando o profundo conhecimento da Inventiva em tecnologias de regulação genética em fibrose com as capacidades da Boehringer Ingelheim no desenvolvimento de novos medicamentos.

A nova parceria é um exemplo da crescente preocupação da Boehringer Ingelheim com a inovação e faz parte da trajetória da empresa no desenvolvimento de medicamentos para FPI. A Boehringer Ingelheim já tem em seu portfólio um medicamento inédito para o tratamento da doença, OFEV®, que tem como princípio ativo nintedanibe uma molécula inibidora de tirosina quinases, que impede a multiplicação das células que causam as cicatrizes (fibrose) no tecido pulmonar, diminuindo assim a velocidade de progressão da doença. Aprovado e comercializado mundialmente para o tratamento de FPI em adultos, OFEV® será a referência para o desenvolvimento clínico e comercialização de potenciais fármacos provenientes da parceria.

A Fibrose Pulmonar Idiopática é uma doença pulmonar debilitante e com elevada taxa de mortalidade, afetando cerca de 3 milhões de pessoas em todo o mundo – estima-se que cerca de 13 a 18 mil brasileiros sofram com a condição1. Caracterizada pela cicatrização crônica e remodelação do pulmão e diminuição progressiva da função pulmonar, a FPI é a doença intersticial pulmonar mais comum encontrada em todo o mundo e representa uma ameaça para a saúde pública, já que de 70% a 80% dos pacientes morrem em aproximadamente cinco anos após o diagnóstico. As causas da FPI ainda não foram completamente esclarecidas e, apesar dos recentes progressos, as opções de tratamento para os pacientes ainda são limitadas.

Estamos muito orgulhosos, e celebramos a parceria com a Boehringer Ingelheim, uma empresa reconhecida por suas habilidades de pesquisa e desenvolvimento na área de fibrose pulmonar, particularmente FPI”, comentou Pierre Broqua, CSO e cofundador da Inventiva. “Paralelamente ao desenvolvimento do nosso próprio portfólio, também faz parte da estratégia estabelecer parcerias de pesquisa com grandes empresas farmacêuticas do mundo. O acordo com a Boehringer comprova a experiência da Inventiva e contribui para reforçar a nossa posição de liderança e inovação no campo da fibrose”, completa Pierre.

“Estamos entusiasmados com essa parceria e ansiosos para colaborar com a equipe de Inventiva no desenvolvimento potencial de uma nova terapia inovadora para o tratamento de FPI”, comentou Clive R. Wood, Ph.D., Vice-Presidente Corporativo Sênior de Pesquisa e Inovação da Boehringer Ingelheim. “Estamos impressionados com as competências de pesquisa e desenvolvimento da Inventiva, que tem profundo conhecimento nesse campo. Acreditamos firmemente que a nossa união de forças nos permitirá promover a tradução de um novo conceito terapêutico aspiracional para novas terapias para os pacientes.”

A Inventiva receberá um aporte adiantado e é elegível para obter financiamento para projetos de pesquisa e desenvolvimento, além de 170 milhões de euros para investimento em questões regulatórias e comerciais e royalties sobre as vendas líquidas dos produtos resultantes da parceria.


Sobre OFEV® (nintedanib)

OFEV®, cujo princípio ativo é o nintedanibe, uma molécula inibidora de tirosina quinases, desenvolvida por pesquisadores da Boehringer Ingelheim, é indicado em adultos para o tratamento de FPI.1 Em 2015 OFEV® foi incluído nas diretrizes de tratamento internacionais para FPI.2

Os pacientes com essa doença pulmonar rara e fatal, que até então não dispunham de alternativas20, passam a contar com uma esperança que desacelera a progressão da doença em 50%21. OFEV® é o único medicamento comprovadamente capaz de reduzir as crises de piora aguda, chamadas exacerbações21 – responsáveis pelo falecimento de mais de 60% dos pacientes com FPI que são hospitalizados21.

Seu mecanismo de ação inovador impede a multiplicação das células que causam as cicatrizes (fibrose) no tecido pulmonar, diminuindo assim a velocidade de progressão da doença. Em relação ao tratamento de FPI, essa questão é prioritária para 88% dos especialistas brasileiros, segundo pesquisa global com pneumologistas22.

 

Sobre Fibrose Pulmonar Idiopática
FPI é uma doença de causa desconhecida (idiopática), progressiva, crônica e rara que afeta os pulmões, ocasionando cicatrizes (fibrose). Embora os sintomas típicos da doença como, falta de ar e tosse crônica e seca sejam evolutivos, na fase inicial da doença estes podem ser confundidos com o envelhecimento, doenças cardíacas, enfisema pulmonar, bronquite crônica ou outras doenças intersticiais pulmonares 21. Estima-se que 50% dos pacientes são diagnosticados erroneamente e o tempo médio para o diagnóstico é de 1 a 2 anos após o início dos sintomas23. Por isso a importância da conscientização sobre esta doença.

Assim que os sintomas da FPI são percebidos, a ação recomendada é procurar um médico pneumologista. As principais técnicas que possibilitam o diagnóstico da FPI são a história clínica, o exame físico, o resultado de uma tomografia computadorizada de alta resolução (TCAR), e em alguns casos, uma biópsia de pulmão.

Sobre a Inventiva:

Inventiva é uma empresa biofarmacêutica especializada no desenvolvimento de drogas que interagem com receptores nucleares, fatores de transcrição e moduladores epigenéticos. O mecanismo de pesquisa da Inventiva abre novas terapias inovadoras contra doenças fibróticas, cânceres e doenças órfãs de tratamento, e portanto  com necessidades médicas não atendidas.

IVA337, o seu principal produto, é um tratamento anti-fibrótico, com um mecanismo de ação inédito que age por meio da ativação de todos os três PPARs: alfa, gama e delta (receptores ativados por proliferador de peroxissoma), que desempenham papéis importantes no controle do processo fibrótico. Sua ação anti-fibrótica atinge duas indicações iniciais com necessidades médicas não atendidas: NASH (esteato-hepatite não-alcoólica), uma doença hepática grave e cada vez mais prevalente que afeta mais de 30 milhões de pessoas nos Estados Unidos, e fibrose pulmonar secundária a esclerose sistêmica, uma doença com uma taxa de mortalidade muito elevada. A Inventiva também está desenvolvendo o IVA336, um programa clínico para o tratamento de três diferentes formas de mucopolissacaridose (MPS I ou síndrome de Hurler-Sheie, MPS II ou síndrome de Sly e MPS VI também conhecida como síndrome de Maroteaux-Lamy), assim como um portfólio de estágio oncológico pré-clínico.

Inventiva emprega mais de 100 cientistas altamente qualificados e possui uma planta referência em pesquisa e desenvolvimento em Dijon (França), adquiridas do grupo farmacêutico internacional Abbott. A empresa possui, uma biblioteca proprietária de mais de 240 mil moléculas, bem como plataformas integradas de biologia, química e farmacologia.

Para mais informações, visite www.inventivapharma.com

Sobre a Boehringer Ingelheim:

O Grupo Boehringer Ingelheim é uma das 20 principais farmacêuticas do mundo. Com sede em Ingelheim, na Alemanha, a companhia opera globalmente com 145 afiliadas e com um quadro de mais de 47.500 funcionários. Há 130 anos, a empresa familiar mantém o compromisso com pesquisa, desenvolvimento, fabricação e comercialização de novos medicamentos de alto valor terapêutico para a medicina humana e veterinária.

A responsabilidade social é um elemento importante da cultura empresarial da Boehringer Ingelheim, o que inclui o envolvimento global em projetos sociais como o “Mais Saúde” e a preocupação com seus colaboradores em todo o mundo. Respeito, oportunidades iguais e o equilíbrio entre carreira e vida familiar formam a base da gestão da empresa, que busca a proteção e a sustentabilidade ambiental em tudo o que faz.

Em 2015, a Boehringer Ingelheim obteve vendas líquidas de cerca de 14,8 bilhões de euros e investiu 20,3% do faturamento em pesquisa e desenvolvimento.

No Brasil, a Boehringer Ingelheim possui um escritório em São Paulo e uma fábrica em Itapecerica da Serra. Há 60 anos no país, a companhia estabelece parcerias com instituições locais e internacionais que promovem o desenvolvimento educacional, social e profissional da população.

Para mais informações, visite www.boehringer-ingelheim.com.br e www.facebook.com/ajudareomelhorremedio.

Referências

  1. Baddini-Martinez J, Pereira CA. Quantos pacientes com fibrose pulmonar idiopática existem no Brasil? J Bras Pneumol. 2015;41(6):560-562.
  2. Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Bula de OFEV® [Internet]. 20 Jan 2016 [Acesso em 13 Jul 2016]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=11971472016&pIdAnexo=3063726
    3. Raghu G, Rochwerg B, Zhang Y, et al. An Official ATS/ERS/JRS/ALAT Clinical Practice Guideline: Treatment of Idiopathic Pulmonary Fibrosis. An Update of the 2011 Clinical Practice Guideline. Am J Respir Crit Care Med. 2015;192(2):e3-19.
    4. Richeldi L, Du bois RM, Raghu G, et al. Efficacy and safety of nintedanib in idiopathic pulmonary fibrosis. N Engl J Med. 2014;370(22):2071-82.
    5. Pfeifer M, Cottin V, Taniguchi H, et al. Effect of baseline emphysema on reduction in FVC decline with nintedanib in the INPULSIS™ trials. Pneumologie. 2015;69-P254.
    6. Raghu G, Wells A, Nicholson AG, et al. Consistent effect of nintedanib on decline in FVC in patients across subgroups based on HRCT diagnostic criteria: results from the INPULSIS® trials in IPF. Poster apresentado na 111ª American Thoracic Society Conference; Denver, Colorado, 15-20 Mai 2015.
    7. Kolb M, Richeldi L, Kimura T, et al. Effect of baseline FVC on decline in lung function with nintedanib in patients with IPF: results from the INPULSIS® trials. Poster apresentado na 111ª American Thoracic Society Conference; Denver, Colorado, 15-20 Mai 2015.
    8. Costabel U, Inoue Y, Richeldi L, et al. Efficacy of Nintedanib in Idiopathic Pulmonary Fibrosis across Prespecified Subgroups in INPULSIS. Am J Respir Crit Care Med. 2016;193(2):178-85.
    9. Keating GM. Nintedanib: A Review of Its Use in Patients with Idiopathic Pulmonary Fibrosis. Drugs. 2015;75(10):1131-40.
    10. Hilberg F, Roth GJ, Krssak M, et al. BIBF 1120: triple angiokinase inhibitor with sustained receptor blockade and good antitumor efficacy. Cancer Res. 2008;68(12):4774-82.
    11. Richeldi L, Costabel U, Selman M, et al. Efficacy of a tyrosine kinase inhibitor in idiopathic pulmonary fibrosis. N Engl J Med. 2011;365(12):1079-87.
    12. Selman M, King TE, Pardo A. Idiopathic pulmonary fibrosis: prevailing and evolving hypotheses about its pathogenesis and implications for therapy. Ann Intern Med. 2001;134(2):136-51.
    13. Wollin L, Maillet I, Quesniaux V, et al. Antifibrotic and anti-inflammatory activity of the tyrosine kinase inhibitor nintedanib in experimental models of lung fibrosis. J Pharmacol Exp Ther. 2014;349(2):209-20.
    14. Ley B, Collard HR, King TE. Clinical course and prediction of survival in idiopathic pulmonary fibrosis. Am J Respir Crit Care Med. 2011;183(4):431-40.
    15. Nalysnyk L, Cid-ruzafa J, Rotella P, et al. Incidence and prevalence of idiopathic pulmonary fibrosis: review of the literature. Eur Respir Rev. 2012;21(126):355-61.
    16. Boehringer Ingelheim. Worldwide prevalence 2016 [data on file].
    17. National Heart, Lung and Blood Institute. What Is Idiopathic Pulmonary Fibrosis? [Internet]. 2011 [Acesso em Mai 2016]. Disponível em: www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/ipf/
    18. Pulmonary Fibrosis Foundation. Causes and symptoms [Internet]. Acesso em Mai 2016. Disponível em:http://www.pulmonaryfibrosis.org/life-with-pf/about-pf
  3. Raghu G, Weycker D, Edelsberg J, et al. Incidence and prevalence of idiopathic pulmonary fibrosis. Am J Respir Crit Care Med. 2006;174(7):810-6.
  4. Raghu G, Collard HR, Egan JJ, et al. An official ATS/ERS/JRS/ALAT statement: idiopathic pulmonary fibrosis: evidence-based guidelines for diagnosis and management. Am J Respir Crit Care Med. 2011;183(6):788-824.
  5. Kantar Health, Boehringer Ingelheim. Think of Everything Survey – Country specific insights. 21Out 2015. Arquivo interno [400 pneumologistas entrevistados em 10 países, sendo 50 brasileiros].
  6. Collard HR, Tino G, Noble PW, et al. Patient experiences with pulmonary fibrosis. Respir Med. 2007;101(6):1350-4.

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorCientistas descobrem proteína que tem ação anti-inflamatória
Próximo artigoAsma: o mal do inverno
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta