Compartilhar informação é diminuir a dor

2
881

Em seminário alusivo ao Dia Mundial de Conscientização da Artrite Reumatoide, pacientes, médicos e advogado especializado em direitos das pessoas com a doença, falam sobre tratamentos alternativos, o cuidado com os joelhos e a alimentação e perspectivas de novos tratamentos

WAD-Oficial-2014

Nada de ficIMG_20141018_162729933ar parado! O palhaço Sandro Não-GoDói, do grupo Operação Conta Gotas, colocou todo mundo para dançar. Descontraídos, os participantes puseram a dor de lado e levantaram os braços, abaixaram e, quem diria, até requebraram! Claro, tudo com muito cuidado, mas sem perder a graça. O evento foi realizado pelo Grupo EncontrAR, núcleo do Grupar-RP, no salão Prestes Maia da Câmara Municipal de São Paulo neste sábado (18).

Alimentação e Exercícios Físicos – Uma forma de controlar a doença

Dr. Thiago Bitar
Dr. Thiago Bitar

Se engana quem pensa que ficar parado ajuda a controlar a dor causada pela artrite reumatoide. Para o médico reumatologista Thiago Bitar, o movimento ajuda a aliviar o desconforto das articulações. As atividades físicas são bem-vindas para quem convive com a Artrite Reumatoide. Fazer musculação, caminhada, natação, hidroginástica ou alguma atividade física que agrade ao paciente, ajuda no tratamento.
Para ele, a melhor saída para controlar a doença são os tratamentos já existentes, aliados às atividades físicas e uma alimentação saudável. “Se o remato puder abordar esse tema, ainda que de forma leve, será ótimo para o paciente, porque é complicado ficar encaminhando ele a procurar um nutricionista pra isso. Seguir uma alimentação balanceada, com grão integrais, sem corantes e conservantes, com pouco açúcar e sal são caminhos a seguir. Agora tá na moda, sem glúten, sem lactose, detox… Tudo besteira! Não tem nenhuma pesquisa clínica, por exemplo, que aponte a carne vermelha como responsável pela piora da artrite, ou que a canela melhora a artrite”, afirma o médico.

“Se meus joelhos não doessem mais”

DSCF2034
Dr. Maurício Lebre Colombo Médico Ortopedista especialista em joelho

O joelho é uma das articulações do corpo mais afetadas por quem tem AR. Por ser uma articulação de carga, além de suportar o peso do corpo, ele tem algumas características anatômicas, que o colocam em ‘situações de risco’. Do ponto de vista ósseo, o joelho é uma articulação incongruente, ou seja, não dá a estabilidade que o quadril ou tornozelo proporcionam. A conformação óssea dos joelhos, dependem muito dos ligamentos e dos meniscos. Qualquer lesão, por mais pequena que seja, compromete o funcionamento dele.
Segundo o médico ortopedista especialista em joelhos, Dr. Maurício Lebre Colombo, “a artrite reumatoide não compromete só a parte óssea, ela compromete também toda a parte ligamentar, o que acaba facilitando o desenvolvimento de uma osteoartrose ou uma osteoartrite que são desgaste precoce da articulação do joelho”. O médico alerta que a atividade física pode ser uma boa saída para controlar as dores nos joelhos, mas aconselha que o exercício seja indicado pelo reumatologista do paciente. “A caminhada é uma boa opção, mas depende da condição clínica da pessoa, da idade, do peso. Uma simples caminhada, que é um exercício aeróbico, surte bons resultados”, afirma.

Perspectivas no tratamento da artrite reumatoide

Dr. André Consalter Médico Reumatologista Pesquisador da CEPIC
Dr. André Consalter
Médico Reumatologista
Pesquisador da CEPIC

André Consalter, reumatologista há 15 anos, explica que o primeiro passo para qualquer pessoa é buscar o tratamento. O tratamento precoce é agressivo é o mais indicado, visto que quanto antes começar, menor serão os riscos de deformidades no futuro. “Assim que e pessoa perceber que está com mais de três juntas inchadas, por mais de três semanas, tem que ser avaliada pelo reumatologista. Junta inflada é junta sendo destruída. Muitas vezes, em um ano, você já perdeu aquele movimento”, aponta André.
“Os remédios antigos, como o Metotrexato, Leflunomida, corticóide, ainda são muito eficazes. Agora, se o paciente começou com o tratamento tradicional e não funcionou, existem novos medicamentos que já estão disponíveis na Rede Pública de Saúde, como o Rituximabe, Tocilizumabe, Abatacepte, Golilomabe, Certolizomabe. Lembrando, e que só devem ser receitados se você não responder ao tratamento inicial, o que é difícil, pois a boa parte dos pacientes respondem com os imunobiológicos mais antigos”, afirma o reumatologista.
O que temos de novo para em pesquisa clínica no Brasil, são alguns novos imunobiológicos, em versões diferentes, como por aplicações subcutâneas, estão em fase avançada de pesquisa e devem ser comercializados em um prazo de até três anos.
Sobre os tratamentos alternativos para a A.R., o médico Thiago Bitar é enfático. “Nenhum deles é comprovado cientificamente. Está na moda tomar a vitamina D, a vacina anti-brucélica, auto hemoterapia, mas nenhuma delas tem eficiência cientifica. Se conscientizem. É muito fácil tomar remédio, injeção e comprimido. Difícil é acreditar que mesmo com A.R. você pode levantar do sofá e mudar a sua vida”, finaliza.

Direitos do paciente

Para o advogado especialista em direitos do paciente Tiago Farina Matos, a pessoa com A.R. pode buscar as vias administrativas para resolver questões que queira levar à Justiça. Ele sugere os juizados especiais, federais ou cíveis e as defensorias públicas. “Questões relacionadas à Previdência Social são uma das causas mais frequentes pelas quais as pessoas procuram defesa. Dependendo da condição do paciente, ele pode ter acesso a alguns benefícios, como o auxílio doença, aposentadoria especial, emprego pela lei de cotas, isenção tarifária para transporte e compra de carros”, aponta o advogado.

WAD-MovimentARAs fotos oficiais do evento, estão disponíveis no álbum na fanpage Artrite Reumatoide no Facebook: www.facebook.com/media/set/?set=a.771990076194727.1073741840.132295033497571&type=3

Por Eduardo Rodrigues

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

2 COMENTÁRIOS

  1. Sou portadora de artrite reumatóide há mais de dez anos e fiquei feliz de encontrar esta página, é muito boa mesmo. Obrigado !!! Estou com problema sério num joelho sinto muita dor e caminho com auxílio de muleta, além das dores do corpo claro, rsrssrsrrs , estou me tratando com reumato mas.é muito difícil a dor. Abraços!!!

Deixe uma resposta