Dia Mundial da Osteoporose tem ações de conscientização na Rua da Cidadania do Pinheirinho

0
228

No Dia Mundial da Osteoporose, celebrado em 20 de outubro, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná (SBEM-PR) e a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO) desenvolvem atividades em Curitiba, para chamar atenção para um problema que afeta 200 milhões de mulheres no mundo. No Brasil, a prevalência da doença é de 33 a 45% em mulheres na pós-menopausa e de 15% em homens. O objetivo da campanha é alertar a população sobre esta doença silenciosa e que pode ser tratada prevenindo muitas complicações.

Em sua nona edição, a campanha de conscientização no Dia Mundial da Osteoporose conta com a participação da Prefeitura Municipal de Curitiba, Secretaria da Saúde do Estado do Paraná, Sesc Paraná e entidades de ensino superior. Além dos especialistas da SBEM-PR e ABRASSO, profissionais de outras áreas vão disseminar informações sobre como manter a saúde osteomuscular.  As atividades acontecem das 9h às 17h, na Rua da Cidadania do Pinheirinho e são gratuitas à população. O público alvo são as pessoas acima de 50 anos.

No local os participantes serão cadastrados e depois terão seus dados vitais e antropométricos com bioimpedância avaliados. A cada estação os participantes vão receber informações sobre nutrição, prática de atividade física, reforçada pelo grupo de prevenção de quedas da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Governo do Paraná, além dos cuidados especiais com a polifarmácia, muito comum após a terceira idade.

Estações multidisciplinares

Também estará à disposição a avaliação dentária, considerada essencial para a boa nutrição e manutenção da massa muscular, a testes de equilíbrio e de força muscular, além da avaliação do risco clínico de fratura. Profissionais da SMELJ-Curitiba vão coordenar dois períodos de práticas esportivas, com 30 minutos de duração, demonstrando modalidades disponíveis gratuitamente para a população. “No final, o participante terá acesso a um resumo documentado que servirá para uma futura visita ao seu posto de saúde, seja para a base de dados ou mesmo para uma atitude de intervenção no caso de ser considerado de médio ou alto risco para fratura”, explica a endocrinologista Victoria Borba, vice-presidente da ABRASSO e diretora do Departamento de Metabolismo Ósseo da SBEM.

Doença silenciosa
A osteoporose é um problema silencioso, assintomático, que ocorre quando há um enfraquecimento progressivo da massa óssea. O  principal objetivo da prevenção e do tratamento é evitar fraturas, que ocorrem mais comumente em locais como coluna, punho, braço e quadril. Nos idosos, a osteoporose pode levar a complicações sérias como dores crônicas, dificuldades para locomoção e diminuição da qualidade de vida.

A endocrinologista Gleyne Lopes Kujew Biagini, vice-presidente da SBEM-PR explica que o diagnóstico da osteoporose é realizado na suspeita clínica, em pessoas com fatores de risco ou após uma fratura de baixo impacto – aquela que ocorre com trauma leve ou após uma queda da própria altura. “A osteoporose se caracteriza pela diminuição da massa óssea e alteração da microarquitetura, que piora a qualidade óssea e predispõe a fraturas, que são a marca da doença. Estima-se que no mundo, 1 em cada 2 mulheres com 50 anos terão osteoporose ao longo da vida. Entre os homens essa proporção é de 1 de cada 5”, explica a especialista.

Fatores de risco
Idosos, principalmente mulheres pós-menopausa, são os que mais sofrem de osteoporose. Além da idade avançada, outros fatores de risco são histórico familiar, dieta pobre em cálcio e vitamina D, fumo, álcool, vida sedentária e deficiência hormonal.

A endocrinologista Carolina Aguiar Moreira, que preside o Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da SBEM, ressalta a importância da prevenção e tratamento da osteoporose, visto que a consequência da fratura reduz a qualidade de vida, aumenta a mortalidade e morbidade.

A osteoporose é também um dos muitos fatores de risco para fraturas, associadas a grande morbidade e mortalidade, o que a torna um problema de saúde pública. Dados americanos mostram que a incidência de fraturas osteoporóticas supera a do infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e câncer de mama.

FATORES PERMANENTES FATORES MODIFICAVEIS
Idade Tabagismo / etilismo
História familiar Sedentarismo
Insuficiência hormonal Insuficiência de cálcio e vitamina D
AR IMC < 19kg/m2
Sexo Feminino Imobilização
Raça asiática ou caucasiana Nutrição inadequada
Fratura Prévia Quedas frequentes
Uso prolongado de GCT Distúrbios alimentares
Causas Secundárias

Serviço:
Campanha de Conscientização no Dia Mundial da Osteoporose
Data: 
dia 20 de outubro (sexta-feira)
Horário: 
das 9h às 17h
Local: 
Rua da Cidadania do Pinheirinho
Endereço: 
Av. Winston Churchill, 2033 – Pinheirinho (ao lado do Terminal do Pinheirinho), Curitiba (PR)

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorDia de Prevenção à Osteoporose terá avaliações de saúde e passeio de bike
Próximo artigoAprovado novo tratamento para doença de Crohn no Brasil

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta