Endócrinos alertam sobre verdades da tireoide 25 de Maio – Dia Internacional da Tireoide

0
270

O Dia Internacional da Tireoide será comemorado em 25 de maio, e os médicos da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) fazem uma campanha de esclarecimento ao público sobre a função da tireoide e o hipotireoidismo.

“Qualquer distúrbio na tireoide seja sua hipo ou hiperfunção pode se associar com efeitos em todo organismo. O hipotireoidismo ocorre em aproximadamente 10% dos brasileiros, o hipertireoidismo em torno de 2%-6% e os nódulos de tireoide são ainda mais constantes. A campanha deste ano traz um alerta à população, principalmente, sobre os riscos associados à prática crescente do emprego do hormônio T3 (triiodotironina) para tratamento de obesidade e outras condições clínicas, como a fadiga crônica”, conta Dr. José Augusto Sgarbi, médico da Regional São Paulo da SBEM e diretor do Departamento de Tireoide da SBEM Nacional.

Verdades – A tireoide é a glândula que fica no pescoço e produz dois hormônios: a triiodotironina (T3) e a tiroxina (T4), muito importantes em todas as fases da vida, como na formação dos órgãos fetais (principalmente o cérebro), crescimento, desenvolvimento, fertilidade e reprodução. Os hormônios da tireoide exercem ainda importante atuação nos batimentos cardíacos, sono, raciocínio, memória, temperatura do corpo, funcionamento intestinal e no metabolismo.

O hipotireoidismo é uma doença comum que afeta de 8 a 12% dos brasileiros, e a forma mais grave é o congênito, que ocorre no recém-nascido. Se não for diagnosticado e tratado pode causar retardo mental irreversível. Seu diagnóstico é realizado através do exame do pezinho nos primeiros dias de vida.

Durante a gravidez, o hipotireoidismo não diagnosticado e não tratado pode se associar com complicações à gestação e ao feto. Na gestação, o diagnóstico deve ser realizado no primeiro trimestre. Os exames para detectar o hipotireoidismo são a dosagem do TSH e do T4 livre.

Os principais sintomas do hipotireoidismo são sonolência excessiva, sono não reparador (acordar com cansaço), fadiga não habitual durante o dia, preguiça, lentidão e dificuldade para exercer tarefas e funções, esquecimento fácil, concentração baixa, tristeza, intestino preso, ressecamento de pele e cabelos, unhas fracas e ganho de peso inexplicável. Em crianças, o hipotireoidismo atrapalha o crescimento, as atividades e o rendimento escolar.

São consideradas pessoas de risco para hipotireoidismo: mulheres no período pós-menopausa, idosos, pessoas com antecedentes de doenças da tireoide na família, diabetes tipo 1 ou outras doenças autoimunes (Ex: vitiligo, lúpus, artrite reumatoide), antecedentes de radioterapia no pescoço ou em uso de medicamentos como amiodarona ou lítio.

O tratamento do hipotireoidismo deve ser feito, exclusivamente, com o uso da Levotiroxina (T4). O T3 ou triiodotironina não deve ser utilizado no tratamento do hipotireoidismo, exceto em raras circunstâncias.

Hormônios tireoidianos não devem ser usados em formulações. A prática não é segura e pode causar danos à sua saúde. “Nunca altere a dose e nunca mude a marca de sua Levotiroxina sem antes consultar seu médico”, alerta Dr. Sgarbi.

SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados as oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais moléstias tratadas pelos endocrinologistas.

Serviço:

Twitter: @SBEMSP

Facebook: Sbem-São- Paulo

http://sbemsp.org.br/

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorEstudo revela associação do hipotireoidismo com AVC
Próximo artigoMédicos desmascaram mitos sobre a tireoide
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta