Estudos comprova eficácia superior do Actenra (Tociizumabe) no controle da Artrite Reumatoide

0
1053

Informações do estudo ADACTA, divulgadas no congresso anual da Liga Europeia contra o Reumatismo (EULAR, na sigla em inglês) em Berlim, na Alemanha, mostram que os pacientes adultos com artrite reumatoide que receberam Actemra® (tocilizumabe) como agente único de terapia tiveram, após 24 semanas, uma melhora significativamente superior na atividade da doença (medida pela redução na pontuação do DAS28, que é um índice utilizado pelos reumatologistas para acompanhar a atividade da atrite reumatoide) em comparação aos pacientes tratados com adalimumabe (também como agente único). A artrite reumatoide é uma doença autoimune que, segundo estimativas, afeta mais de 70 milhões de pessoas no mundo, incluindo crianças. As juntas tornam-se cronicamente inflamadas, dolorosas e inchadas, e os pacientes podem se tornar incapacitados se não tratados adequadamente.
Pacientes com artrite reumatoide são normalmente tratados com medicamentos conhecidos como DMARDs (drogas anti-reumáticas modificadoras de doença). O metotrexato (MTX) é o DMARD mais utilizado. Quando os pacientes não respondem ao MTX, podem ser adicionados os medicamentos biológicos (como o adalimumabe e o tocilizumabe). No entanto, um em cada três pacientes recebem o tratamento biológico como monoterapia (sem a combinação com MTX), devido a intolerância ao MTX.
“Como há uma série de terapias aprovadas para pacientes com artrite reumatoide, é importante para eles e para os reumatologistas ter informações para escolher a melhor opção de tratamento individual”, afirma Hal Barron, chefe de Desenvolvimento de Produto Global e diretor médico da Roche. “Esse estudo mostrou que para os pacientes que requerem monoterapia, o Actemra® (tocilizumabe) é mais efetivo do que o adalimumabe, o que significa que os pacientes tratados com o tocilizumabe estão mais propensos a apresentar maior redução do DAS28, da dor nas articulações, dos inchaços, melhorando sua qualidade de vida.”
Resultados do ADACTA mostram que após 24 semanas de tratamento, pacientes com artrite reumatoide severamente ativa e intolerância ou resposta inadequada ao MTX:
• Alcançaram uma melhora na atividade da doença (redução de pontuação do DAS28) de, em média, 3,3 com o Actemra® (tocilizumabe) e 1,8 com o adalimumabe.
• Tiveram uma redução de 40% do DAS28 com Actemra® (tocilizumabe) e de 11% com o adalimumabe (DAS28<2,6).
• Nas medidas ACR 20,50 e 70 (pontuação do Colégio Americano de Reumatologia) para avaliar a atividade da doença), alcançaram resposta de 65%, 47% e 33% com Actemra® (tocilizumabe), versus 49%, 28% e 18% com o adalimumabe.
As diferenças em todos esses pontos foram estatisticamente significantes. Efeitos colaterais foram comparados em dois grupos de tratamentos e a segurança do Actemra® (tocilizumabe), demonstrada no ADACTA, se mostrou consistente com os dados previamente obtidos nos estudos clínicos que levaram ao registro do medicamento.
Sobre o DAS28
O DAS28 é uma medida da atividade da artrite reumatoide. A pontuação é calculada por uma formula matemática complexa que inclui o numero de juntas doloridas e inchadas (em 28 articulações), a taxa de sedimentação de eritrócitos (um marcador de inflação sistêmica) e a avaliação global de saúde do paciente (indicada pela marcação de uma linha de dez centímetros entre “muito bom” e “muito ruim”). Uma pontuação DAS 28 superior a 5,1 indica uma atividade severa da doença, menos de 3,2 indica baixa atividade e menos de 2,6 significa remissão.
Sobre ACR 20, 50 e 70
A pontuação do “American College os Rheumatology” (ACR) representa a porcentagem de redução (20%, 50% e 70%) das juntas doloridas e inchadas em conjunto com uma melhora de três dos seguintes parâmetros:
• Reagente de fase aguda (como a taxa de sedimentação de eritrócitos).
• Avaliação global da atividade da doença feita pelo paciente.
• Avaliação global da atividade da doença feita pelo médico.
• Escala de dor. Questionário de avaliação de saúde (HAQ, na sigla em inglês).
Sobre ADACTA
ADACTA é um estudo fase IV , multicêntrico, randomizado, duplo-cego, desenhado para comparar a redução de sinais e sintomas da artrite reumatoide durante o tratamento em monoterapia (agente único) com Actemra® (tocilizumabe) e adalimumabe em pacientes adultos com atividade severa da doença que tenham intolerância a MTX ou para quem o tratamento contínuo com MTX não seja apropriado. Além disso, pacientes participantes do estudo ainda não haviam recebido qualquer tratamento biológico para artrite reumatoide.
326 pacientes foram aleatoriamente escolhidos (1:1) para receber, durante 24 semanas, 8mg/kg de Actemra® (tocilizumabe) a cada quatro semanas (mais placebo adalimumabe) ou 40mg de adalimumabe subcutâneo a cada duas semanas (mais placebo Actemra® (tocilizumabe)). O estudo atingiu seu objetivo primário ao constatar, após 24 semanas, uma redução significativamente maior na pontuação de DAS28 nos pacientes tratados com Actemra® (tocilizumabe) em comparação com aqueles que receberam adalimumabe. Os efeitos colaterais nos dois tratamentos foram comparados e a segurança do Actemra® (tocilizumabe) no ADACTA se mostrou consistente com os estudos clínicos realizados previamente.

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorFibromialgia, a dor que viaja pelo corpo e piora com a raiva
Próximo artigoAstrid Fontanelle fala sobre Lúpus
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta