Impactos da artrite reumatoide para brasileiros são piores em relação a outros países da América Latina

0
352

Os impactos da artrite reumatoide na qualidade de vida dos brasileiros são piores em relação a países como Argentina, Colômbia e México. A constatação é de um estudo inédito, apresentado no Congresso da Liga Pan-americana de Associações de Reumatologia (Panlar), que comparou o impacto da doença autoimune na produtividade e na força de trabalho do paciente. Entre os quatro países da América Latina, o Brasil tem, por exemplo, a menor taxa de empregabilidade entre os pacientes acometidos pelo problema.

20160518153302221588a

O estudo Patient reported outcomes survey of employment in patients with rheumatoid arthritis(Empregabilidade de pacientes com artrite reumatoide, na tradução livre) demonstrou o grande impacto da artrite reumatoide na qualidade de vida e produtividade depois de acompanhar 309 pessoas com a doença nos quatro países. A doença inflamatória crônica, que afeta 1% da população adulta ao redor do mundo, ocorre quando o sistema imunológico, erroneamente, começa a atacar articulações saudáveis. Essa resposta imunológica provoca sintomas que podem variar em gravidade em cada paciente, incluindo dor nas articulações, inchaço e rigidez, e também a perda de função física.

Com o passar do tempo, os sintomas de artrite reumatoide podem se agravar e, com isso, tarefas diárias podem se tornar difíceis de ser realizadas, ocorrendo danos permanentes nas articulações. O fato de ocorrer mais comumente entre as idades de 30 a 50 anos, em plena idade laboral, mostra o grande impacto na trajetória profissional desses pacientes. Mais prevalente em mulheres do que em homens, os pacientes com artrite reumatoide não têm esperança de cura. O objetivo do tratamento é maximizar, por longo prazo, os aspectos de saúde na qualidade de vida do paciente, com o controle dos sintomas, prevenção de danos estruturais, normalização da função física e participação social.

Segundo o reumatologista Ricardo Xavier, chefe do serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas de Porto Alegre e coordenador da pesquisa para toda a América Latina, a artrite reumatoide pode se tornar uma doença bastante debilitante, com forte impacto negativo em vários aspectos na rotina paciente. A contribuição da pesquisa, que no Brasil também contou com a participação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por meio da equipe do pesquisador Daniel Feldman, e do Cepic, com a equipe de Cristiano Zerbini, é importante no sentido de quantificar como a doença afeta o desempenho no trabalho e na qualidade de vida do paciente. “Tínhamos conhecimento desse impacto em estudos em pacientes europeus, mas as informações com os pacientes da América Latina eram limitadas”, explica Xavier.

O estudo revelou, por exemplo, que 80% dos pacientes entrevistados, dos quatro países, em média, reportaram problemas com dor e desconforto. Os brasileiros relataram mais enfaticamente o impacto negativo da doença na maioria dos aspectos avaliados, apesar de tendências semelhantes apresentadas nos quatro países. Os brazucas também apresentam a menor taxa de empregabilidade (40%), enquanto os argentinos a maior, com 73% dos pacientes empregados, seguidos pela Colômbia (61%) e México (54%). Em relação à sensação de dor e desconforto, os sintomas são reportados por 83% dos brasileiros, contra 67% dos argentinos, 70% dos colombianos e 71% dos mexicanos. “Embora tendências semelhantes tenham sido observadas em todos os quatro países, os pacientes brasileiros reportaram ser mais afetados na maior parte dos aspectos avaliados”, lamenta Ricardo Xavier.

O estudo, agora, que segue com outras análises, quer compreender a razão da discrepância entre os países latinos. “Colômbia, México e Argentina apresentaram resultados similares, próximos àqueles encontrados nos países europeus. Por que o Brasil tem dados piores? O desafio agora é explicar essa situação, que pode impactar nos protocolos de tratamento e no modelo de assistência oferecido no Brasil”, acrescenta Xavier.

Nem todos os piores dados, contudo, são brasileiros. A Colômbia lidera em horas de trabalho perdidas em função da enfermidade. A Argentina, por outro lado, tem mais horas efetivamente trabalhadas. “Mas quanto se olha para as variáveis de quanto a enfermidade afeta o trabalho, em todos o Brasil vai pior”, lamenta.

O reflexo da doença no país, contudo, pode dar uma ideia do impacto na vida dos nossos pacientes e ajudar na avaliação de custo/efetividade dos tratamentos, ajudando agências e o governo a definirem estratégias e medicamentos. “Como não tínhamos um estudo brasileiro nesse sentido, tínhamos menos subsídios para levar a quem dita o tratamento”, complementa o reumatologista. Os dados do estudo são baseados na percepção e no relato de pacientes sobre o impacto da artrite reumatoide na sua qualidade de vida e produtividade no trabalho. Os participantes, na época da avaliação, tinham entre 21 e 55 anos, e responderam questionários sobre a produtividade e dificuldade e atividade e limitações no trabalho. Essas ferramentas permitiram, por exemplo, medir o presenteísmo e o absenteísmo. Os pacientes foram acompanhados durante um ano.

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorSem dinheiro para remédios, idoso mata esposa com artrite severa
Próximo artigoVereadores aprovam projetos para saúde dos munícipes
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta