Odontologia além da estética

0
488

Especialista da The Dental SPA explica como cuidar da boca também acaba com dores de cabeça e de ouvido

Dor orofacial é toda dor que se localiza na face e dentro da boca. São bastante comuns e chegam a afetar cerca de 20% da população. O problema pode vir da própria face ou de áreas próximas, como cabeça, pescoço e até mesmo da região do tórax.

Segundo o Comitê de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, as causas mais comuns vêm de problemas dentários, das gengivas, língua e ossos maxilares. Além disso, doenças como câncer, problemas cardíacos, diabetes, artrite reumatoide e fibromialgia também podem causar esse tipo de dor. Apresentam-se como dor de ouvido, de cabeça ou até dentária, e podem estar associadas também ao bruxismo (ato de ranger os dentes) e a disfunções temporomandibulares (ATM).

“Por conta das inúmeras possibilidades de causa, é importante que o diagnóstico seja feito de forma minuciosa e por um cirurgião-dentista especializado no tratamento das dores orofaciais. Já o tratamento desse problema, pode e deve ser feito por uma equipe de profissionais de diferentes especialidades, principalmente no caso das dores crônicas, aquelas que duram mais de seis meses.”, afirma a dentista e diretora do The Dental SPA, Dra. Cristina Gottlieb.

Ainda segundo a especialista, neurologistas, fisioterapeutas e psicólogos são alguns dos médicos que também podem contribuir para esse tratamento. E além disso, em 10% dos casos, sinusite também é causada por problema nos dentes.

Como evitar esse mal

“A dor depende de múltiplos fatores para se estabelecer, que incluem aspectos emocionais, sociais, genéticos, doenças prévias, entre outros. Por isso, a melhor e mais eficiente forma de se prevenir é cuidando da saúde de uma forma geral”, explica a Dra. Cristina. “No caso dos problemas bucais, que são as causas mais comuns dessa doença, o que ajuda é uma higiene bucal rigorosa, feita com o auxílio do fio dental e dos raspadores linguais, e visitas frequentes ao dentista”, comenta.

É preciso cuidar não somente da saúde física, mas da mental e social também. Além disso, devemos estar sempre atentos à dor aguda (aquela de curta duração), para que não permaneça e se prolongue a ponto de se tornar crônica. “O atendimento precoce para um diagnóstico correto e preciso é fundamental. Quanto mais cedo seu médico ou dentista for procurado, melhor e menos difícil é o tratamento para o paciente”, finaliza a especialista.

Fonte: Segs

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta