Problemas de saúde causados pela automedicação

0
914

Tomar medicamentos por conta própria é um grande risco. É essencial ter uma formação que permita entender os efeitos e indicações de cada remédio, por isso a necessidade de se consultar um médico diante de quaisquer sintomas. A automedicação pode trazer consequências graves à saúde, como reações alérgicas e dependência. Além disso, de acordo com o Ministério da Saúde, no caso dos antibióticos, o hábito pode aumentar a resistência de microrganismos e inibir a eficácia dos remédios.

Uma das maiores preocupações é o fato de que muitas pessoas não têm ideia dos efeitos colaterais que os medicamentos possuem e, como é possível comprar muitos deles sem receita, pensam que não há riscos.

Os medicamentos mais comuns no uso sem prescrição são os analgésicos, anti-inflamatórios e antialérgicos. ”Os pacientes tendem a tomar remédios por conta própria em caso de infecções, dores de garganta, rinites alérgicas, entre outros problemas. Porém, todo medicamento possui efeitos colaterais. Os anti-inflamatórios, por exemplo, podem causar azia e outros tipos de alteração no estômago. Já os antialérgicos podem resultar em quadros de sonolência excessiva”, alerta Dr. Henrique Ramos, membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL-CCF) e professor da Universidade Federal do Espírito Santo.

Entre os campeões de uso sem indicação médica estão os vasoconstritores nasais. “O uso crônico destes produtos pode causar arritmia e cardiopatias. Além disso, a utilização desses remédios pode resultar em uma intolerância, bem como na necessidade de se aumentar sempre a dose. Esse tipo de medicamento também causa dependência”, destaca Dr. Henrique Ramos.

Já os sintomas de gripes e resfriados são comumente tratados com antigripais e a busca por um especialista é ignorada. “É claro que o paciente pode ter um quadro clássico de resfriado, por exemplo, com coriza e nariz congestionado, mas caso o problema persista após as 48 horas iniciais dos sintomas é recomendado procurar um médico para que se tenha certeza de que o quadro é realmente esse, ou se trata de algo mais grave”, conclui o otorrinolaringologista.

Depois da proibição da venda de antibióticos sem prescrição médica, houve uma redução dessa conduta de automedicação, ainda assim o problema persiste. “Infelizmente, essa proibição não mudou a postura de muitos pacientes, que vêm ao consultório buscando a receita e não o diagnóstico”, lamenta Dr. Ali Mahmoud, médico otorrinolaringologista do hospital das clínicas da FMUSP.

Como podem haver ainda efeitos colaterais causados por interações medicamentosas entre um remédio de uso constante e o que foi usado inadvertidamente, o especialista reforça a necessidade de consultar o médico que fez a prescrição antes de tomar qualquer medicamento. “Pacientes com hipotireoidismo, que tomam suplementação hormonal, não podem ingerir antigripais, pois os descongestionantes presentes neles não podem ser usados junto com os remédios com hormônios tireoidianos. Outros remédios favorecem sangramentos e, por isso, devem ser suspensos de 10 a 15 dias antes de um procedimento cirúrgico. Enfim, há uma gama enorme de danos, dos mais diversos, que podem ser desenvolvidos em consequência da automedicação”, finaliza Dr. Ali Mahmoud.

Fonte: Blog da saúde

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta