Veneno de formiga poderia ser um novo tratamento para psoríase

0
289

Cientistas descobriram que os compostos derivados do veneno da formiga-de-fogo poderiam acabar com a psoríase, uma doença auto-imune incurável, levando a esperança de novos tratamentos para a condição.

Uma nova pesquisa, liderada por uma equipe da Universidade de Emory, descobriu que o solenopsina – o principal componente tóxico no veneno destas formigas – tem uma forte semelhança química com moléculas chamadas ceramidas, que ajudam para proteger a pele.

A ceramida mantém a barreira da nossa pele ao ajudar a epiderme a a repelir os microrganismos, razão pela qual elas são usadas ​​em uma grande variedade de medicamentos para a pele.

Mas há um problema com a ceramida: em algumas circunstâncias, a molécula pode degradar-se em esfingosina-1-fosfato (S1P), um composto que podecausar inflamação.

E aqui é onde entra o veneno da formiga-de-fogo.

Tendo observado as semelhanças moleculares entre a solenopsina e a ceramida, o dermatologista Jack Arbiser e sua equipe desenvolveram duas amostras análogas de veneno que pareciam com a ceramida, mas que não tinham a capacidade de se converter em S1P.

Para testar as amostras, eles os misturaram em cremes de pele e aplicaram em ratos criados para terem psoríase.

Após 28 dias de tratamento, os ratos tratados mostraram diminuições na espessura da pele (cerca de 30%) quando comparados com os animais do grupo de controle e também apresentaram cerca de 50% menos células imunes infiltrando a pele – características da psoríase.

“Acreditamos que as análises de solenopsina estão contribuindo para a restauração completa da barreira da pele”, diz Arbiser . “Emolientes podem aliviar a pele com psoríase, mas não são suficientes para restaurar a barreira”.

As células imunes de ratos também mostraram resultados promissores após a introdução do composto, observando diminuição na produção de um inflamatório, juntamente com o aumento da produção de um anti-inflamatório.

Claro, não há garantia de que esses tipos de efeitos restauradores sejam replicados em ensaios com pele humana, mas os pesquisadores esperam que possam ser e dizem que a pesquisa futura é justificada.

Ainda estamos muito longe de uma cura definitiva, mas parece que estamos cada vez mais perto, e para uma condição que afeta tanto quanto uma em cada 25 pessoas, é uma ótima notícia.

O estudo foi publicado em Science Reports.

Fonte: https://climatologiageografica.com/veneno-de-formiga-poderia-ser-um-novo-tratamento-para-psoriase/

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

COMPARTILHE
Artigo anteriorTratamento contra tuberculose multirresistente pode ser mais rápido, dizem cientistas
Próximo artigoMaterial produzido pela USP orienta sobre dor musculoesquelética
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta