Espondilite Anquilosante: aspectos emocionais

1
965

Aspectos emocionais dos espondilíticos
entender-depressãoEmbora ainda não exista cura para a doença, o tratamento precoce e adequado permite o alívio dos sintomas (dor e inflamação), alem de fornecer valiosa ajuda para a diminuição da progressão da doença, mantendo uma melhor mobilidade das articulações acometidas e propiciando, desta forma, melhor qualidade de vida aos portadores.

A promoção da qualidade de vida do paciente com espondilite anquilosante, como em outras doenças reumáticas crônicas baseia-se tradicionalmente, no tratamento medicamentoso e fisioterápico. Contudo, percebe-se na prática, que uma intervenção psicológica de suporte à doença se faz necessária para a recuperação e sucesso terapêutico, tendo em vista os comportamentos de dor e as limitações físicas e sociais do paciente. No entanto, há poucas pesquisas brasileiras envolvendo pacientes com espondilite anquilosante e seus aspectos emocionais; o que se nota é uma literatura essencialmente enfocada nos aspectos patológicos e socioeconômicos da doença.

Esta nova forma de pensar o tratamento contribui para alterar a compreensão da relação saúde/doença, no sentido de ter uma visão mais vasta e pluridisciplinar. E é nesta área de investigação e intervenção que surge a Psicologia da Saúde, que se dedica essencialmente a trabalhar a promoção e a educação da saúde e a prevenção da doença. É no aspecto emocional do paciente portador de espondilite anquilosante que se evidencia o papel do Psicólogo que trabalha em contexto hospitalar e clínico, especifi camente na área da reumatologia.

O corpo do portador de Espondilite Anquilosante enfrenta uma série de ameaças e dificuldades que podem se agravar ao longo do decurso da doença, como, por exempo, a dor crônica e a rigidez articular, principalmente da coluna. A perda da capacidade de trabalho, o risco de desemprego e a dependência em situações rotineiras familiares como higiene pessoal, alimentação e transporte, geram ansiedade e depressão como uma reação de adaptação à doença. Desta forma, a reação vivencial de sofrimento, fraqueza e inferioridade, natural e compreensível, é comum nos espondilíticos.

Todos estes problemas causados pela doença obrigam a pessoa a fazer várias alterações na sua vida e a criar alternativas como reação de adaptação à doença, o que produz não só um grande impacto na forma como ela percebe a sua doença, como também uma grande probabilidade do aparecimento de alterações emocionais, que infl uenciam de forma decisiva em todo o seu comportamento.

Fonte: Manual do Portador de Espondilite Anquilosante da Edumed

Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

1 COMENTÁRIO

  1. Oi Priscila,

    eu gostei muito desse artigo, casa muito bem com duas postagens que tenho em meu blog.

    Eu tenho sempre pensado em como viver bem e feliz com tudo, mesmo com esse diagnóstico de EA.

    Acho que o psicológico pode e é um grande aliado como uma grande ameaça em toda e qualquer situação, entretanto é muito importante, na minha condição, para os espondilíacos.

Deixe uma resposta